I Jo 4.7-8

INTRODUÇÃO
Não podemos falar de comunhão sem falar de amor. E a Igreja é uma comunidade de amor. Mas por que muitos não conseguem ter bons relacionamentos? Será que para ter uma qualidade de vida melhor preciso aprender a me relacionar com as pessoas? A principal evidência de maturidade cristã é um amor cada vez maior por Deus, pelo próximo, pelo serviço na Igreja e pelas almas perdidas. “O amor é o sistema circulatório do corpo de Cristo”. Precisamos buscar amadurecimento em nossa caminhada cristã. Devemos crescer em amor, pois ele é duradouro – A ORIGEM DO AMOR ESTÁ EM DEUS.
“Então não seremos mais como crianças, arrastados pelas ondas e empurrados por qualquer vento de ensinamentos de pessoas falsas. Essas pessoas inventam mentiras e, por meio delas, levam outros para caminhos errados,” Ef 4.14.
“Porém continuem a crescer na graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo,” II Pe 3.18.

Em I Co 13.4-5 Paulo está tratando dos problemas dos coríntios: divisão, mau uso dos dons de Deus, invejas, impaciência, egoísmo, falta no servir na casa de Deus – tudo que envergonhava o nome do Senhor.
Nesse texto, Paulo nos ensina a respeito do amor, que está ligado intimamente com o fruto do Espírito, em Gálatas 5.22.
1 – Paciente – lento em se ofender, em se irar.
2 – Bondoso – que gosta de servir, é servo, trata bem a todos, mesmo que lhe tratem mal.
3 – Não inveja – não se entristece com a prosperidade ou alegria do outro.
4 – Humilde – não se vangloria, não se ensoberbece com nada, reconhece as suas fraquezas, não afronta os outros.
5 – Não é orgulhoso – não é altivo, não se infla com ninguém.
6 – Não maltrata – tem boas maneiras, não afronta ninguém na frente dos outros levando a se envergonhar, não retribui o mal com mal, mas com o bem.
7 – Altruísta – não procura seus próprios interesses, trabalha em prol do outro, até abrindo mão dos seus pelo bem do outro.
8 – Não se ira facilmente – é equilibrado, buscando não irritar ninguém, não se amargura ante às ofensas reais ou imaginárias.
9 – É simples – não guarda rancor, não é maldoso, não imagina o mal de ninguém.

Para me relacionar bem com as pessoas é preciso amar em três dimensões:
1 – Amar a Deus – Mc 12.30-31 – Se relacionar bem com Deus – “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma, com toda a mente e com todas as forças. E o segundo mais importante é este: “Ame os outros como você ama a você mesmo.”
2 – Amar o próximo – I Jo 1.7 – “Porém, se vivemos na luz, como Deus está na luz, então estamos unidos uns com os outros, e o sangue de Jesus, o seu Filho, nos limpa de todo pecado.”
3 – Amar a si mesmo – auto imagem positiva, auto estima.
Coração em crise torna a língua uma arma que destrói. Mt 12.34b – Pois a boca fala do que o coração está cheio.

Portanto:
– Fomos criados para comunhão – I Jo 1.7;
– Temos um coração perdoador – Ef 4.32b – E perdoem uns aos outros, assim como Deus, por meio de Cristo, perdoou vocês;
– Olhamos as pessoas como Jesus olha, o lado bom;
– Somos tolerantes com o próximo e exigente com nós mesmos.

Conclusão
Bons relacionamentos dependem mais de mim do que do outro. Você pode e deve demonstraro amor a Deus no Tabernáculo de Davi e o amor ao próximo na célula e no discipulado um a um.

Declaração: Declaro que perseverarei em amor a Deus e ao meu próximo, sabendo que o amor se revelará naquele grande dia que estivermos com Cristo na eternidade. Reconhecerei que, sem amor, as minhas obras de nada valem e, por isso necessário é que minha vida esteja pautada no vínculo da perfeição que é o amor. Desenvolverei atitudes de amor para com o próximo de modo a refletir a glória de Deus em mim.

Sugestão de Louvor: Recebi um novo coração – Frutos do Espírito

Fonte: www.montesiao.pro.br
Adaptação: Ministério CEO – www.ministerioceo.com.br
Correção Gramatical: Samuel Lopes Maciel
Coordenação e Revisão Geral: Pr. Donizétti Maciel

Estudo de Célula de Agosto de 2014