Texto Base: Mt 5.6
“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça…”

INTRODUÇÃO
O homem é um ser que tem necessidades. Sua necessidade primária é de água e alimento. Seu corpo clama por água e alimento. Não conseguimos ficar muito tempo sem nos alimentar e também sem nos hidratar. Tanto a água quanto os alimentos são fundamentais para nossa sobrevivência.
Muitas pessoas eram famintas à época de Jesus. Ele mesmo multiplicou pães para saciar uma multidão. A região da Judéia era uma área na qual a água era muito valorizada.

TER FOME E SEDE DE JUSTIÇA NÃO SIGNIFICA:
1º – Fome e sede de bênçãos.
2º – Fome e sede de felicidade.
3º – A justiça também não é uma espécie de retidão geral ou de moralidade entre as nações.
4º – A justiça não é sinônimo de justificação.
5º – Não é atingir a justiça por nossos próprios esforços.

A felicidade nunca é algo que deveríamos buscar diretamente; antes, sempre é algo que resulta da busca de algum outro valor.
A tragédia: todos buscam a felicidade (prazer, lazer, etc.). Põem a felicidade acima da justiça.
O erro: buscam alívio para o sintoma, mas não atacam a causa. Ex.: o médico que procura tratar apenas a dor poderá não contribuir para o bem da pessoa que sofre.
As pessoas buscam a cura para a dor de sua alma no cinema, no álcool, nas drogas, nos entretenimentos, etc. Qual é a causa da dor, da infelicidade e do senso de miséria dos homens?
No caso, a justiça implica não apenas o conceito de justificação, mas também de santificação. O anelo para justiça, a atitude de quem tem fome e sede de justiça, em última análise aponta para o desejo de receber libertação do pecado, em todas as suas formas e em sua própria manifestação.

TER FOME E SEDE DE JUSTIÇA SIGNIFICA:
1º – Anelar por ser livre do pecado, porque o pecado nos separa de Deus. Está em pauta o desejo de se estar bem com Deus. Todas as dificuldades que assediam o mundo atual devem-se ao fato de que o homem não está bem com Deus.
2º – Anelar para estar livre do domínio do pecado. Santificação. Ela quer ficar livre até mesmo do desejo de pecar.
3º – Ter fome e sede de justiça é desejar ver-se livre do próprio “EU”, em todas as horrendas manifestações, em todas as suas facetas.

TER FOME E SEDE DE JUSTIÇA É AINDA:
1º – Desejo do homem de ser positivamente santo. Ele quer exibir em sua vida o fruto do Espírito. Novo homem em Cristo.
2º – Desejo de conhecer Deus e desfrutar do companheirismo com Ele. Quer assemelhar-se a Cristo.

Sl 42.1-2 – Sede de Deus é estar num estado de inanição (debilidade, enfraquecimento).
John Derby: “Quando o filho pródigo teve fome ele queria alimentar-se com as bolotas jogadas aos porcos, mas quando estava morrendo de inanição, voltou para seu pai “.
É preciso ter a consciência do quanto eu necessito de Deus e nada mais.

“PORQUE SERÃO FARTOS”
Quem tem sede e fome de justiça experimentará a plena satisfação no próprio Deus, pois somente Jesus pode satisfazer a fome e sede de justiça do ser humano.
Ele mesmo é o “pão da vida”, Ele mesmo é a “água da vida”, somente Ele pode saciar nossa sede em todos os sentidos.

CONCLUSÃO
Precisamos buscar viver de forma justa nos relacionamentos com as pessoas, precisamos buscar mais justiça no mundo, nas relações entre as pessoas, mas tudo começa em minha vida a partir do momento em que experimento a justiça de Deus em minha própria vida, a partir do momento em que sou justificado por Deus em Cristo (Rm 5.1), a partir do momento em que sou plenamente satisfeito por Deus.

Autor: Pr. Eduardo Garcia – CEO / Caxambu – MG – www.ministerioceo.com.br
Fonte: BIBLIOGRAFIA BÁSICA
LLOYD Jones, Martin. Estudos no Sermão do Monte. São Paulo: Editora Fiel, 2010.
KEMP, Jaime. A Verdadeira Felicidade. São Paulo: Sepal, 2000.
Correção Gramatical: Samuel Lopes Maciel
Coordenação e Revisão Geral: Pr. Donizétti Maciel

Estudo de Célula de Dezembro de 2017