Texto Base: João 14.27

INTRODUÇÃO
Vimos na semana passada que Natal é uma expressão do amor de Deus, que nos deu o maior de todos os presentes: a vida de seu único filho. Jesus veio para buscar e salvar o perdido e, como já vimos, com a sua vinda Ele nos presenteou com uma mensagem super clara e direta: Ele é o único Salvador, o Messias prometido – outro não virá – e tem que ser o Senhor de seus discípulos e de sua Igreja. E hoje, vamos considerar o presente que Ele nos dá, que talvez seja o que o mundo mais necessita e procura a verdadeira paz!
“Deixo a paz a vocês; a minha paz dou a vocês. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem tenham medo.” ( Jo 14.27)
Jesus fez esta afirmação na mesma noite em que foi traído e entregue aos Romanos para ser crucificado. Ele acabara de celebrar a última ceia com seus discípulos, usando o pão e o vinho como símbolos do seu corpo e sangue que seriam dados por eles, deixando bem claro que sua partida se aproximava. O ambiente era de muita tensão, tristeza e de muita incerteza e preocupação por parte dos discípulos. Afinal, eles agora ficariam sozinhos, e aquele por quem tinham deixado tudo iria agora morrer brutalmente. O ambiente era de tensão, conflito e morte.
Pense um pouco e imagine como você se sentiria. Era o último lugar em que alguém pensaria em paz. Pois foi exatamente este o momento que Jesus escolheu para entregar a eles um dos seus maiores dons, um dos seus maiores presentes. Ele lhes dá a sua paz, paz para a mente e para o coração.

Nesta passagem bíblica nós aprendemos que:
1. Jesus nos dá verdadeira paz com Deus.
É o que podemos chamar de “paz vertical”. Paulo afirma esta verdade com muita clareza em Rm 5.1: “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo”. Porque descobrimos que quando Cristo morreu na cruz Ele levou consigo toda nossa vergonha, toda culpa, todo medo e todo pecado. Ele pagou o preço da nossa purificação e justificação diante de Deus. Isaías diz que “o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele.” (Is 53.5) Toda a ira de Deus caiu sobre Jesus e o castigo que nós deveríamos receber caiu sobre Ele na cruz, onde toda a exigência de justiça de Deus foi plenamente satisfeita. Paz é sinônimo de liberdade, senso de que agora, através de Jesus, já está tudo bem entre eu e Deus, e não vivo esperando por um castigo que virá do céu sobre mim.
2. Jesus nos dá verdadeira paz em meio às nossas mais diversas circunstâncias.
É o que chamamos de “paz interior”. Naquele momento tão difícil para os seus discípulos, Jesus está prometendo que lhes dará a Sua paz. Não como o mundo, pois o mundo vive uma paz circunstancial. Para o mundo, paz é ausência de conflito e dificuldades.
Mas Cristo está prometendo um tipo diferente de paz, a Sua paz. A mesma paz que permitia a Ele dormir profunda e tranquilamente num barco em meio a uma forte tempestade. (Mt 8.24) Com Jesus, as circunstâncias não determinam mais o nosso estado interior. Por isso o Apóstolo Paulo diz: “Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os seus corações e as suas mentes em Cristo Jesus.”(Fp 4.6-7). Quando cremos em Cristo e aprendemos a apresentar as nossas ansiedades e medos a Ele através da oração, Paulo diz que a paz de Deus, funcionando como uma espécie de muro invisível, guardará os nossos corações e as nossas mentes. Jesus veio para nos dar paz interior, que não depende das circunstâncias.
3. Jesus nos dá verdadeira paz para com os outros.
Esta é a chamada “paz horizontal”. Parece incrível, mas o Evangelho nos desafia a amar até aos nossos inimigos. Imagine como o mundo seria se todos conseguissem fazer isso. Mas somos pessoas que, muitas vezes mesmo sem querer, machucamos e magoamos uns aos outros. É inevitável o conflito relacional na experiência humana, seja na família, no trabalho e até na igreja. Pessoas que andaram juntas se afastam, cônjuges brigam e parentes se magoam. Mas Jesus afirma que veio para nos presentear com paz também no sentido relacional. Ele veio fazer tão grande obra de salvação e mudança interior naqueles que o recebem, que os relacionamentos são naturalmente curados. É a obra da graça de Deus em nós e através de nós que gera a cura para os relacionamentos quebrados. A fé em Cristo não muda apenas indivíduos, muda também relacionamentos.

CONCLUSÃO
Vimos, portanto, que Jesus prometeu dar-nos a sua paz em todas as dimensões. Paz vertical, paz interior e paz horizontal.
Primeiro, a paz vertical, que é a paz entre o homem e Deus. Segundo, a paz interior, que é a paz íntima e psicológica, a que experimentamos conosco mesmo. Terceiro, a paz horizontal, que é a paz relacional, entre as pessoas. A Bíblia diz que quando o pecado entrou no mundo ele destruiu, ou degenerou seriamente, todas as três dimensões da paz. Antes do pecado, o homem estava em paz com Deus, em paz consigo mesmo e em paz com todas as demais coisas criadas. Todavia, ao rebelar-se contra Deus, destruiu sua comunhão com Ele. O homem passou a não ter mais paz consigo mesmo, e estava incapacitado para gozar paz com os outros.
Por isso, Jesus declara que veio para nos devolver a condição, para viver e experimentar a paz verdadeira.

Obs: O Pr. Presidente sugere que na terceira semana, todas as células façam uma confraternização com dinâmicas e muita comunhão entre os irmãos.

Autor: Pr. Eduardo Garcia – CEO / Caxambu – MG – www.ministerioceo.com.br
Fonte de Pesquisa: Estudos IBC-Família
Correção Gramatical: Samuel Lopes Maciel
Coordenação e Revisão Geral: Pr. Donizétti Maciel

Estudo de Célula de Dezembro de 2017