Texto Base: João 6.26-35; 47-51

INTRODUÇÃO
Jesus, a pessoa mais extraordinária que já andou por este planeta, fez declarações extraordinárias sobre si mesmo, sempre em meio à realização de um grande milagre. Ele queria que as pessoas o conhecessem e conhecessem a sua missão.
Ele sabia que muitos o seguiam apenas por causa dos milagres que ele realizava. E ao fazer estas declarações extraordinárias, Jesus demonstra que, além de nos abençoar com suas obras maravilhosas e transformadoras, deseja que nós o conheçamos e que tenhamos um relacionamento pessoal com ele.

DESENVOLVIMENTO
Neste episódio, Jesus tinha acabado de multiplicar pães e peixes de modo a alimentar uma grande multidão necessitada (Jo 6.1-15). Em seguida, Jesus questiona a motivação do povo (v. 26) e declara ser ele mesmo o pão da vida, capaz de saciar a fome mais profunda do ser humano. Deste texto, podemos destacar:
1) A multidão seguia Jesus apenas pelos sinais e milagres que ele realizava.
O versículo 2 diz que “grande multidão continuava a segui-lo, porque vira os sinais miraculosos que ele tinha realizado nos doentes”.
Pergunta: Vocês poderiam citar alguns milagres que Jesus já tinha realizado?

A fama de Jesus se espalhava por toda parte e, por isso, uma grande multidão seguia Jesus. O fascínio era tão grande que, conforme o versículo 14, o povo queria até proclamá-lo rei, começando a olhar para ele como a solução para os problemas políticos, econômicos e sociais que enfrentavam. A multidão não conhecia Jesus e não entendia que Jesus era Deus.
Pergunta: Por que você tem buscado e seguido Jesus? Qual tem sido sua motivação? Quem é Jesus para você? Um homem de sinais e milagres? Um grande profeta? Um líder político? Um bom mestre? Qual é a sua visão de Jesus?
Esta talvez seja a pergunta mais importante a responder em toda a nossa vida: Quem é Jesus?

2) Apesar da motivação errada do povo, Jesus não deixou de fazer milagres.
Relatando o mesmo milagre de Jesus, Mc 6.34 afirma: “Quando Jesus saiu do barco e viu uma grande multidão, teve compaixão deles, porque eram como ovelhas sem pastor. Então começou a ensinar-lhes muitas coisas”. Lc 9.11 declara: “mas as multidões ficaram sabendo, e o seguiram. Ele as acolheu, e falava-lhes acerca do Reino de Deus, e curava os que precisavam de cura”. Em síntese, Jesus se compadeceu da multidão, a acolheu e agiu em seu favor, curando os doentes e ensinando sobre o Reino de Deus.
Jesus jamais rejeitou aqueles que dele se aproximavam com necessidades. Ele olhava para as pessoas com compaixão e misericórdia, procurando suprir as carências apresentadas.
Ele amava tanto as pessoas que não se incomodava com o trabalho que o cuidar delas traria. As necessidades eram importantes e precisavam ser sanadas.
Pergunta: Quais são as suas maiores necessidades hoje? Você acredita que Deus se importa com as suas necessidades também?

3) O principal interesse de Jesus está na nossa salvação e no nosso relacionamento com ele.
O versículo 27 diz: “Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem lhes dará”. Apesar de reconhecer as necessidades físicas e materiais imediatas, Jesus queria mesmo é que as pessoas comessem o pão da vida (“Se alguém comer deste pão, viverá para sempre”, Jo 6.51).
O que significa comer do pão da vida? Significa crer em Jesus e considerá-lo como fonte pessoal de vida. Crer vai muito além do simples acreditar. Biblicamente, crer tem como sinônimo se entregar em confiança e dependência (Sl 37.5). O que Jesus quis dizer à multidão que o ouvia é que eles deveriam tê-lo como Deus, como a única e verdadeira fonte de vida, entregando-se em confiança e dependência a ele.
As pessoas não deveriam procurá-lo simplesmente para terem suas necessidades físicas e materiais supridas. Elas deveriam procurá-lo porque ele é Deus, fonte de vida eterna. Em um primeiro momento de aproximação, seria até aceitável e normal que uma pessoa viesse a Jesus por causa daquilo que ele poderia fazer em favor dela. Entretanto, o amadurecimento espiritual significa deixar de procurar apenas as bênçãos para buscar um relacionamento com o abençoador.
Pergunta: Honestamente, você já entendeu que Jesus é Deus, única e verdadeira fonte de vida eterna? Você já entregou sua vida a Jesus?

4) Alguns discípulos pararam de seguir a Jesus
Os versículos 60 e 66 relatam: “Ao ouvirem isso, muitos dos seus discípulos disseram: ‘Dura é essa palavra. Quem pode suportá-la?’… Daquela hora em diante, muitos dos seus discípulos voltaram atrás e deixaram de segui-lo”. Que triste! Ao serem confrontados com a verdadeira razão pela qual deveriam estar seguindo a Jesus, muitos voltaram atrás. Não haviam entendido quem ele era e qual era a sua missão. Queriam apenas os benefícios, e não o compromisso da fé. Não eram verdadeiros discípulos. Poderíamos chamá-los de meros seguidores.
Pergunta: E você, considera-se um verdadeiro discípulo de Jesus ou um mero seguidor?

5) Os verdadeiros discípulos creem e sabem que só Jesus Cristo oferece a vida eterna
Após o acontecimento acima descrito, Jesus perguntou aos doze, seu grupo mais íntimo de discípulos: “Vocês também não querem ir?” (Jo 6.67). Percebe-se, com essa pergunta, que Jesus não estava preocupado com a quantidade de seguidores que possuía. Não se deixava impressionar com as grandes multidões que o seguiam. Ele estava interessado em verdadeiros discípulos.
A essa pergunta, Pedro, que havia entendido, respondeu: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus” (Jo 6.68,69). O verdadeiro discípulo é aquele que compreende que Jesus é a única fonte de vida eterna. Por isso, crê e entrega-se a ele totalmente, comprometendo-se a segui-lo e obedecê-lo por toda a vida.
Pergunta: Você responderia como Pedro respondeu?

CONCLUSÃO
Mais uma vez podemos ver como Jesus é extraordinário, cheio de compaixão e amor pelas pessoas. Por isso, podemos e devemos apresentar a Deus as nossas necessidades e buscar nele a solução para as nossas mais diversas lutas e problemas. Jesus tem poder, ele opera milagres e se importa conosco.
Mas precisamos avaliar sinceramente as nossas motivações em seguir a Jesus. É apenas o “pão” que buscamos, ou desejamos mesmo segui-lo como Senhor e Deus, e desenvolver um verdadeiro relacionamento com ele?
Ao dizer que é o Pão da Vida, Jesus está afirmando que, por mais que ele possa nos dar tudo o que precisamos, inúmeras bênçãos, não é disso que precisamos. Ele disse: “aquele que se alimenta de mim viverá por minha causa”(Jo 6.57). Não nos alimentamos de algo que Ele nos dá, mas dEle mesmo. Ele é a nossa vida. Muito mais que de bênçãos, precisamos do abençoador.

Fonte: Igreja Batista Central / Belo Horizonte – MG
Adaptado por: Pr. Eduardo Garcia – MCEO / Baependi – MG – www.ministerioceo.com.br
Correção Gramatical: Samuel Lopes Maciel
Coordenação e Revisão Geral: Pr. Donizétti Maciel

Estudo de Célula de Janeiro de 2018